Festival de boas ideias

Mostra traz possibilidades decorativas que inspiram projetos ao alcance das mãos e do bolso

Morar Mais por Menos reúne mais de 100 profissionais das áreas afins da arquitetura, em 54 ambientes que ilustram o luxo despojado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 18/09/2017 14:24 / atualizado em 18/09/2017 14:41 Joana Gontijo /Lugar Certo
O Quarto Malva-rosa, de Hannah Gomes Silva e Raquel Cheib, marca a primeira vez que elas figuram no catálogo da Morar Mais por Menos - Gustavo Xavier/Divulgação O Quarto Malva-rosa, de Hannah Gomes Silva e Raquel Cheib, marca a primeira vez que elas figuram no catálogo da Morar Mais por Menos

Um time de peso engajado no fazer responsável da decoração. Criatividade, estética, conforto, originalidade e consciência sobre o papel fundamental na vida de cada um, enxergando o design como um protagonista dentro do lar, principalmente quando está ao alcance das mãos e do bolso. Mais de 100 profissionais das áreas afins da arquitetura estão reunidos na Morar Mais por Menos BH deste ano, que apresenta 54 ambientes no antigo e charmoso prédio da escola Balão Vermelho, na Mangabeiras, que foi totalmente repaginado para abrigar a mostra.

O mote está no luxo acessível e sem estrelismos, fazendo das possibilidades decorativas soluções próximas da realidade do público final, que pode se inspirar com diversas ideias para levar para a casa. Até 1º de outubro, a 11ª edição do evento marca presença no calendário oficial da capital mineira como uma vitrine de boas sacadas para a composição dos espaços.

Durante os 40 dias de realização, os expositores revelam opções que aliam comodidade e bom preço, destacando o reaproveitamento, materiais alternativos, a produção nacional, e grandes conceitos em termos de leiaute, sempre ultrapassando os limites do convencional. Sustentabilidade, inclusão social, brasilidade, tecnologia, inovação, customização e estratégias de venda, buscando no mercado caminhos que apresentem melhor custo/benefício em relação a produtos e serviços.

Os conceitos da Morar Mais, seu principal diferencial, são contemplados nos projetos e interiorizados pelos envolvidos como premissas básicas, que não podem ficar de fora. Pensado para ser um ambiente feminino e aconchegante, o Quarto Malva-rosa, de Hannah Gomes Silva e Raquel Cheib, marca a primeira vez que elas figuram no catálogo da Morar Mais por Menos. E não poderia ser mais charmoso. “A malva-rosa é uma flor que traduz a mulher moderna que se desdobra em inúmeros papéis, sempre em busca da liberdade de ser e de estar. O quarto, que transborda feminilidade, aconchego, suavidade e força, tem elementos sustentáveis e customizados”, pontuam.

A base de cor com o rosa seco e pontuações de cinza aquece o ambiente e garante que não seja infantilizado. O teto original em concreto aparente foi mantido, e recebeu uma iluminação em trilho, conferindo uma perspectiva industrial.

O piso foi todo forrado com faixas de carpete reutilizadas, ora claras, ora escuras, para criar equilíbrio e movimento. Um dos destaques, seguindo o argumento da customização, é a divisória atrás da cama feita em marcenaria com trançado de cordas náuticas. “É um material acessível e fácil de trabalhar. Você pode fazer a trama que quiser. A corda pode ser tingida, personalizada, e é muito versátil. Totalmente dentro da pegada do evento – o manual, o customizado”, ilustram. A divisória vazada amplia o quarto e abre para a visão, ao fundo, do closet, que se integra ao dormitório. Para acomodar as roupas, uma exclusiva arara em tubos de cobre e pés em concreto armado atrai a atenção. Todo o espaço foi aproveitado, setorizando, mas ao mesmo tempo sem separar.

Na Recepção do Hotel Boutique, as designers de interiores Graça Terra, Ana Beatriz Moreno, Simone Caldas Motta e a arquiteta Daniela Dumont preservaram a arquitetura original - Gustavo Xavier/Divulgação Na Recepção do Hotel Boutique, as designers de interiores Graça Terra, Ana Beatriz Moreno, Simone Caldas Motta e a arquiteta Daniela Dumont preservaram a arquitetura original

Arte, individualidade, interatividade e conforto. Na Recepção do Hotel Boutique, mais um projeto colorido e descontraído. Na parceria entre as designers de interiores Graça Terra, Ana Beatriz Moreno, Simone Caldas Motta e a arquiteta Daniela Dumont, o resultado salta aos olhos. Elas preservaram a arquitetura original, como pilares, vigas, escada e piso, que foram modificados apenas com pintura, e contam que o trabalho foi um desafio. A bancada inicial em ardósia ganhou revestimento em madeira maciça, criando uma peça nova para receber os hóspedes.

Duas gangorras feitas por uma ONG sob encomenda dão um clima despojado, em diálogo com uma mesa em zanga-burrinho e cadeiras em trem de ferro. Na extremidade, um sofá com tecido jeans, vendido por R$ 15 o metro, segue a ideia do ecologicamente correto e, de outro lado, o estilo fica com as cadeirinhas da mesa para uso do computador. As luminárias são de concepção própria das profissionais e as obras de arte em minério de ferro fazem o local mais luxuoso para apresentar um hotel com proposta de boutique. No segundo andar, no mezanino, um espaço para relaxar. “Colocamos televisão, pufes, poltronas, cantinho de leitura, e há uma janela que se abre para um jardim interno. É um ambiente cheio de cor, personalizado, interativo, onde as pessoas se encontram”, contam.

REQUINTE

No projeto de Roseli Tupinambá, o Ateliê do Designer de Joias, ela homenageia a trajetória de sucesso de Paulo Armando - Gustavo Xavier/Divulgação No projeto de Roseli Tupinambá, o Ateliê do Designer de Joias, ela homenageia a trajetória de sucesso de Paulo Armando

No Ateliê do Designer de Joias, a arquiteta e designer de interiores Roseli Tupinambá faz uma homenagem à bela trajetória de 20 anos na joalheria do mineiro Paulo Armando. A ideia, afirma, é aproveitar bem todo o espaço disponível, fazendo nascer um ambiente duplo. Por uma face, um local de recepção e atendimento ao cliente, com poltronas e joias expostas, em uma aura requintada. Na parte de trás fica a oficina do designer, com a bancada e as ferramentas do acervo próprio, uma liga industrial. “Também especifiquei itens reaproveitados de ferro-velho, como uma cadeira, que foi apenas pintada, e uma banqueta. Abaixo da janela, uma bancada em MDF que se parece com uma pedra confere um ar brutalista. As luminárias foram reaproveitadas de uma indústria que fechou, e receberam tinta”, diz Roseli.

Painéis perfurados organizam as ferramentas, e a divisão entre as duas salas vem com um móvel em MDF laqueado preto, mais luxuoso. Em uma das paredes, faixas adesivas plotadas em cinza e preto conversam com o projeto. “Acima das poltronas, usei imagens de peças do Paulo, e o grande destaque vai para a luminária inspirada em um bracelete, retratado em três fotos ao lado. O espelho em moldura de couro é outro elemento de beleza”, declara a arquiteta.

Na Cervejaria Mais por Menos, atribuída à arquiteta Gabriela Brasil, e às arquitetas e designers Regina Dinardi, Letícia Meireles e Claudia Aragão, a proposição é estar totalmente em sintonia com a temática do evento e fazer um ambiente realmente reciclado. O ponto norteador, contam, é a utilização dos pallets, que aparecem nos bancos e nas paredes. Na cobertura, toras de eucalipto seguem a concepção da sustentabilidade, além dos móveis fabricados com restos de contêiner (duas cristaleiras e algumas banquetas).

Na Cervejaria Mais por Menos, das arquitetas Gabriela Brasil, Regina Dinardi, Letícia Meireles e Claudia Aragão, a proposta fois fazer um ambiente realmente reciclado - Gustavo Xavier/Divulgação Na Cervejaria Mais por Menos, das arquitetas Gabriela Brasil, Regina Dinardi, Letícia Meireles e Claudia Aragão, a proposta fois fazer um ambiente realmente reciclado

Nas mesas, tambores e carretéis reaproveitados, e a iluminação é feita com luminárias em disco de vinil. O chão de cimento queimado recebeu stêncil de criação própria das profissionais, e o lugar para apoiar bebidas é em caixas de bacalhau fornecidas por um restaurante português de BH. Artistas participam do ambiente com quadros, pôsteres, figuras e frases, trazendo um colorido vivo ao projeto.

O espaço de entrada da mostra é o Jardim da Vila Urbana, das arquitetas Jordanna Cotta e Barbara Chaves. A proposta é ser um local de convivência - Gustavo Xavier/Divulgação O espaço de entrada da mostra é o Jardim da Vila Urbana, das arquitetas Jordanna Cotta e Barbara Chaves. A proposta é ser um local de convivência

O espaço de entrada da mostra é o Jardim da Vila Urbana, de autoria das arquitetas da Pigmento Arquitetura, Jordanna Cotta e Barbara Chaves. É um ambiente externo e a proposta é ser um local de convivência. “Criamos um estar, lançando mão da vegetação como uma maneira de ter leveza, seguindo o conceito do respeito ambiental”, relatam. Um destaque fica por conta da generosa estante em vergalhões reaproveitados que seriam descartados, toda trabalhada com garrafas e vidros contendo terrários. O deque também é feito com pallets, material que geralmente vai parar no lixo. “Tudo casado com a pintura no muro do artista Thales Pimenta, agregando a nossa identidade e chamando a atenção por meio das plantas e das cores.”

No canto, cadeiras Acapulco, modelos antigos com cara de casa de vó, dão um toque de beleza, combinando com as tonalidades da parede e em harmonia com os pufes espalhados pelo recinto, que têm na cartela de cores predominantes roxo, amarelo, verde, rosa e preto. Almofadas em tecido sarja crua receberam desenhos parecidos com a pintura das paredes e com a mesma aplicação de estampa da obra de Thales.

Na primeira vez que figuram na mostra, as arquitetas convidam ainda para os eventos que ocorrerão no jardim. Nas quartas-feiras, pockets shows com músicos autorais; nas sextas, exibição de curtas; aos sábados, palestras e bate papos sobre marketing, meditação e terapias holísticas; e, aos domingos, encontros de livros e cachorros. No último sábado, a dupla comanda uma conversa sobre o uso das cores.

SERVIÇO
Morar Mais por Menos BH 2017
Até 1º de outubro
De quarta a sexta, das 16h às 22h Sábado, das 13h às 22h Domingo, das 13h às 19h
Na Avenida Bandeirantes, 800, Mangabeiras
Informações: (31) 3261-6584, pelo e-mail bhapoio@morarmais.com.br ou no www.morarmais.com.br

Outros artigos

ver todas
17 de outubro de 2017
10 de outubro de 2017
03 de outubro de 2017
29 de setembro de 2017
27 de setembro de 2017